quarta-feira, 9 de novembro de 2011

E a Molie se foi...

A minha menina me deixou... Dia 08/11, depois de 40 dias de intensa convivência...

Em 28/09 ela apareceu na obra e marido me levou para conhecê-la. Seu olhar e expressão me pediam para cuidar dela, levá-la para casa. Assim fizemos.

Nunca me interessei por cachorros e sempre achei que deveríamos cuidar de crianças abandonadas, sem lar, invés  de cachorros...
Mas aí, ela apreceu, acho que com o propóstio de me mostrar que podemos e temos muito amor para dividir entre os humanos e animais, que podemos amar mais e mais e se divertir com tudo isso.

Ela queria viver e talvez, Deus tenha a colocado em minha vida, para lhe dar esta condição, dar mais tempo de vida  e me dar amor.

No início era tímida...
 Quietinha...
Depois se sentiu em casa, a dona do pedaço e aprontou muito, nos divertimos, rimos e passeávamos de carro. Aqui, entre minhas pernas.
Aprendeu a fazer xixi no lugar certo, a pedir comida, a fazer buraco, subir no sofá, a respeitar meu espaço, dar carinho, latir para o gato, jogar bola, se esconder atrás do sofá e embaixo da cama, roer meu chinelo, subir e descer a escada e dormir na sala. Olha que folga!
 Aprendeu também a bagunçar a casa, arrepiava...
 Ainda não havia se habituado com a coleira, mas, gostava de dar umas voltinhas. Aqui, com o marido.
No final de outubro teve uma crise de arritmia cardíaca. Exames de eletrocardiograma, raio x de tórax e pulmão foram feitos e, além da arritmia, havia o coração grande, sopro no pulmão e a incerteza sobre seu tempo de vida. Tomava medicação diária.
No domingo a piora e na segunda-feira seus olhos me diziam que não estava bem. Encostou seu focinho no meu nariz e concentrou seu olhar no meu por um longo período. Senti amor, muito amor, gratidão e a perda.
Na madrugada do dia 08 ela me deixou. A tristeza é enorme e o choro vem toda vez que chego em casa, porque ela não vem mais ao meu encontro e nem pede carinho.
Agora, falta algo em casa, falta a Molie...

17 comentários:

  1. Lamento pela perda da Molie... ainda mais grávida, quando os sentimentos e hormônios estão a flor da pele, fica mais difícil ainda... Quem sabe depois de um tempinho, se vocês arrumarem outro cãozinho, seria bom para todos da família...
    Beijocas

    ResponderExcluir
  2. Bom, eu sou chorona, e gosto de cachorro, então, advinha... Mas, acontece... espero que vcs tenham a alegria de ter outro amiguinho fiel, logo, logo... bjsss...

    ResponderExcluir
  3. Van,
    Não imaginava tamanho apego, amor e companheirismo. Está difícil e com certeza arrumaremos outro cãozinho. Bj

    Silvia,
    Aposto que você chorou... Teremos outro amiguinho fiel sim. Bj

    ResponderExcluir
  4. Ai ate me emocionei Karina com que vc escreveu...os animais tem amor incondicional por nós...assim como nós por nossos filhos...mas penso que de maneira diferente ...sem pedir nada em troca. QUe pena que ela se foi,quem sabe agora vc ate vai procurar outro cachorrinho e ver quantas alegrias eles nos trazem tbm..Bjs querida amiga virtual.

    ResponderExcluir
  5. Oi Karina ,
    Me emocionei muuito com seu relato , até chorei , pois tenho cachorros e recentemente uma das minhas fofinhas morreu e sofri muuito , mas vc vai ficar com a lembrança e o amor incondicional que ela te deu.BJusssss

    ResponderExcluir
  6. Poxa, sinto muito, muito mesmo... Desde bebê sempre convivi com cachorros, já perdi alguns e sei o quanto dói. Fica a saudade, as lembranças das sapequices mas a falta tb! Que bom que vc pode ter esta convivência e principalmente que bom que ela teve os cuidados necessários qdo mais precisou!
    Um beijinho, e alimente as lembranças boas da convivência que tiveram. ♥ Ana

    ResponderExcluir
  7. Regina,
    O amor da Molie era incondicional e nao precisava dar nada em troca. Vou arranjar outro cachorrinho sim.

    Maria,
    Fica a lembrança e a saudade

    Ana,
    Com a convivência aprendi que podemos amar mais, mais e mais. Eu cuidei dela e ela me deu amor.

    Beijos em todas e obrigada pelo carinho

    ResponderExcluir
  8. Claudio Leiva Gomes10 de novembro de 2011 19:31

    Pequena!

    A medida de amar é amar sem medida, como numa estrada sem velocidade máxima permitida...

    Beijos

    Marido

    ResponderExcluir
  9. Oi Marido,

    SInto saudades da nossa menina. Amo você!

    bj

    ResponderExcluir
  10. Bom dia Karina!
    Que notícia triste! Já tive cachorrinho e sei o quanto nos dói quando partem!
    Mas ficará na lembrança os momentos alegres que voces passaram com Molie, o amor e cuidado que foram dedicados à ela.
    Lembre-se do quanto ela foi feliz com voces!
    Tenham um lindo final de semana!
    Um abraço carinhoso,
    Maria Josefa
    ************

    ResponderExcluir
  11. Ka,é muito triste perder um animal de estimação...é parte da família.
    Mas graças a Deus a Molie teve 40 dias de muito amor e carinho...sabe-se lá o que ela passou antes de vc encontrá-la?
    Tenha certeza que vc fez tudo que podia...
    Bjs

    ResponderExcluir
  12. Karina...estou fazendo minhas "visitas" depois da volta e me deparo com essa noticia triste...mas tenho certeza que a Molie cumpriu o seu papel. Com certeza voce aprendeu muito com ela, e ela recebeu de voces tudo o que merecia.Chore quando sentir vontade, a dor devagar vai ficando mais leve, e eles passam a ser parte de um tempo de nossas vidas.Beijos.....

    ResponderExcluir
  13. Maria, Carmine e Anny,

    A dor está ficando mais suportável. Ainda choro e ainda sinto saudades....
    Decidimos adotar outra. Na terça próxima passaremos no centro de zoonozes para ver se outra menina nos escolhe...
    Se der tudo certo, a próxima será Mel.

    Beijos e obrigada pelo carinho

    ResponderExcluir
  14. Estimação? São animais de amor, muito amor, e se tornaom parte da familia. Não é facil enfrentar a perda. O que nos ajuda é pensar que fizemos o possível, demos o acolhimento, o amparo amoroso, o conforto e a nossa dedicação. Isso nos consola, mas a perda é muito sofrida. Que vocês tenham a sabedoria de superar enquanto a mantém sempre na memória do coração. Força aê!

    ResponderExcluir
  15. Deus provou pra vc que é facil amar os animais e que há espaço em nossa vida sempre pra eles.Ela foi feliz e bem cuidada nesse pouco tempo de vida,um bjo no seu coração

    ResponderExcluir
  16. Voce me fez chorar...me emociona histórias sobre cachorros e com final triste!!!!!!!!!!Ainda por cima lembra a morte do meu gato que só ficava em volta de mim....
    Beijo!
    Parabéns pelo bebe!!!!!!!!!!!
    Gleiza

    ResponderExcluir

Adoro comentário!